TJRO mantém júri de mulher que tentou matar por não querer emprestar celular

Em Juízo, a acusada afirmou que a discussão iniciou porque não queria emprestar o celular para a vítima

Os membros da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, por unanimidade de votos, negaram provimento ao recurso de Ilza Almeida da Silva. Ela foi pronunciada (decisão que leva o réu a júri popular) pelo Juízo da comarca de Costa Marques (RO) pela prática do crime de tentativa de homicídio. O acórdão foi publicado no Diário da Justiça desta quinta-feira (04/11).

No pedido feito ao TJRO, a ré pretendia ser absolvida sumariamente por ter agido em legítima defesa. Porém, para os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do TJRO, a materialidade encontra-se demonstrada por meio do boletim de ocorrência policial, laudo de exame de corpo de delito, laudo médico e depoimentos de testemunhas.

Segundo consta nos autos, no dia 03 de dezembro de 2013, a ré tentou matar Raquel Gimenez da Silva, só não conseguindo seu intento por circunstâncias alheias a sua vontade. Conforme foi apurado, no dia dos fatos, na residência de uma amiga em comum, a denunciada xingou a vítima, vindo a ofendê-la, razão pela qual a vítima desferiu dois tapas no rosto da ré. Após ser agredida fisicamente, Ilza Almeida da Silva foi até a cozinha, muniu-se de uma faca e, ato contínuo, desferiu vários golpes na vítima, que atingiram seu pescoço, tórax e barriga.

Recurso em Sentido Estrito nº 0000055-26.2014.8.22.0016

Fonte: Comjustica.com