Teto constitucional deve ser imposto a todos os agentes públicos, afirma Lamachia

BrasíliaA coluna Expresso, da revista Época, publicou  a manifestação do presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, que considera um “verdadeiro escárnio o áudio em que um integrante do Ministério Público se empenha em perpetuar privilégios”, com o possível fim do auxílio moradia. Confira:

Circula nas redes sociais e nos aplicativos de mensagens um áudio de Francisco Dirceu Barros, promotor eleitoral em Pernambuco, defendendo alternativas para a provável perda do auxílio-moradia por integrantes do Ministério Público. O assunto será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em breve. Entre as possibilidades previstas por Barros está a substituição do auxílio-moradia pelo auxílio-saúde temporariamente.

O presidente da OAB, Claudio Lamachia, por exemplo, não gostou da declaração de Barros. Disse ser um “verdadeiro escárnio o áudio em que um integrante do Ministério Público se empenha em perpetuar privilégios”, afirma. Lamachia completa: “Membros do Ministério Público devem ser bem remunerados pela importante função que desempenham, mas sempre dentro dos exatos limites da Constituição Federal”.

Procurado por EXPRESSO, Barros diz não se arrepender de suas declarações. “Não é uma posição pessoal. É defendida por vários membros do Ministério Público de Pernambuco e do Brasil. Nós temos uma defasagem salarial muito grande hoje. Há uma imprensa ruim contra nós. Como na Itália, a forma de nos atingir é justamente diminuir nossas verbas salariais. Eu sou uma pessoa que assumo minhas posições individuais”, afirmou.

Fonte: OAB