Pacientes de Porto velho realizam exame em Cacoal mediante intervenção da DPE-RO

Desde abril de 2015 o senhor Leonardo Rodrigues, 71 anos, esperava por uma vaga para se submeter ao teste de esforço ergométrico pelo SUS. Sem  condições de esperar mais tempo, ele decidiu, outubro deste ano,  recorrer ao programa SUS Mediado da Defensoria Pública do Estado (DPE-RO) para realizar o procedimento.

Na quarta-feira,21, por meio da mediação da DPE, ele fez o teste em uma clínica no município de Cacoal, a 364 Km da capital Porto Velho. Junto com o senhor Leonardo, foram outras cinco pessoas que se encontravam na lista de espera do Sistema de Regulação do SUS há mais de um ano. Estes pacientes também recorreram à Defensoria para conseguir o atendimento.

O senhor Leonardo tem problema na próstata e necessitava desse exame para poder se submeter à cirurgia. “Já tinha pedido as esperança em conseguir, quando me informaram sobre o SUS Mediado. Resolvi tentar, mesmo sem acreditar muito, porém fiquei surpreso com o atendimento e com o resultado rápido”, declarou.

Sandro Marques, 46 anos, e o adolescente William Henrique,16 anos  integraram o grupo de pacientes  que foi a Cacoal se submeter ao teste. O primeiro sofre de pressão alta e dores no tórax e o segundo apresenta febre reumática e se queixa também de dores nessa mesma região do corpo.

Além da consulta, a Defensoria Pública conseguiu o apoio do  município de Porto Velho, que forneceu a van e o motorista para transportar o pessoal, bem como uma casa de apoio  para acolher o grupo em Cacoal,  único município que está executando esse teste. Porto Velho também disponibiliza, mas encontra-se com o equipamento quebrado.

SUS Mediado

O programa SUS Mediado foi instituído pelo defensor Público-Geral do Estado, Marcus Edson de Lima, em julho deste ano com o objetivo de reduzir a judicialização na saúde. De acordo com o defensor público Bruno Balbé, coordenador do programa, boa parte da demanda que chegava à DPE tinha como ser solucionada por via administrativa, no entanto, muitos casos terminavam gerando processo judicial, originando gastos desnecessários, além da perda de tempo por parte do paciente e dos servidores envolvidos na questão.

Neste ano de 2016, foram atendidos 790 pessoas. O programa é desenvolvido em parceria com o Governo, o Município de Porto Velho, Defensoria Pública da União (DPU) e a Faculdade Católica, que cede estagiários voluntários para atuar no programa. O atendimento ocorre no prédio-sede da instituição, na Rua Padre Chiquinho, 913, Bairro Pedrinhas.

Texto: Emília Araújo DPE-RO