Projeto Vida Nova da comarca de Santa Luzia (RO) obtém segunda colocação em prêmio nacional

A juíza de Direito Larissa Pinho de Alencar Lima, da comarca de Santa Luzia do Oeste (RO) responsável pelo projeto “Vida Nova: Educação que dá Sentido à História” – obteve a segunda colocação na 5ª Edição do Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos, na categoria trabalho dos magistrados. A premiação ocorreu nesta segunda-feira (07/11), na cidade do Rio de Janeiro (RJ). No seu perfil pessoal do facebook, a magistrada fez questão de agradecer a Escola da Magistratura rondoniense, o Tribunal de Justiça, servidores, reeducandos e a todos que contribuíram para realização e execução do projeto. Ao lado do ministro Ayres Britto, ela exibiu o troféu.

O projeto Vida Nova: Educação que dá Sentido à História foi selecionado como finalista da 5ª Edição do Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos, na categoria trabalho dos magistrados. O programa, iniciado na comarca de Santa Luzia do Oeste e coordenado pela juíza Larissa Pinho, busca resgatar a dignidade do reeducando a partir do acesso à educação. Um dos objetivos é reduzir a reincidência e demandas judiciais, o que de fato ocorreu na comarca.

Desenvolvido de forma voluntária pela juíza e pelos serventuários da comarca, o projeto não consome recursos financeiros do Judiciário de Rondônia. O programa foi institucionalizado por intermédio da Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron) e tem sido adotado por outras comarcas do estado, a exemplo de Nova Brasilândia do Oeste.

Reconhecimento – Segundo a coordenadora do projeto, a iniciativa já recebeu reconhecimento de diversas entidades, entre elas o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Conta também com a adesão de juízes estaduais e federais das várias regiões do Brasil e até mesmo de outros países, como colaboradores voluntários.

Fonte: Comjustica.com / Com informações do TJRO